quarta-feira, 25 de setembro de 2013

REUNIÃO NO SINDSEP-DF




Fonte:http://www.anbene.org.br/downloads.php

NOTÍCIAS


Convocatória para tratar sobre o
acordo Condsef x MPOG
Dia 30, segunda-feira, no SINDSEP-DF,
vamos ver o que podemos fazer...
 
A ANBENE convoga a todos os Fora da Tabela a participar da
reunião no SINDSEP-DF no dia 30/09/2012, segunda-feira,
às 19h, no SBS Qd. 01 Bloco "K" - Ed. Seguradoras
16º e 17º andares CEP: 70093-900 Brasília/DF no auditório,
para tratar do assunto de reajustedos anos 2008 as 2012,
onde fomos seriamente desrespeitados pela CONDSEF.
Nesta reunião estarão presente o pessoal da ABIN, Dr. Bruno,
Diretores da ANBENE, CAEEB entre outras entidades,
interessadas nos reajustes dos anos anteriores.
Contamos com você, Fora da Tabela, para reverter a situação. 
Então, todos junto lá!!!! Fazendo a união entorno dos nossos interesses.
Diretoria SocialAnbene

2 comentários:

Jairo Pessoa Guimarães disse...

Por que os governos deste país não merecem respeito!
Em 1975 me formei em engenharia civil na Universidade Federal de Santa Catarina.
Em 1976, por convocação pública de dois Ministérios (Exército e Transportes) prestei concurso
de seleção nacional para 25 vagas, para participar do Primeiro Curso de Especialização em
Ferrovias a ser ministrado numa das melhores Instituições de ensino do País o IME.
Quem não vislumbraria nisto um futuro brilhante?
Eu acreditei e prestei o concurso, passei em São Paulo.
Ingressei na RFFSA, progredi ao nível de Superintendência, representando uma empresa
respeitada numa cidade com 80.000 habitantes.
Em 1991, depois de inchada, pela política, saí demitido, sem qualquer justificativa. Mas outros
ficaram.
Fiquei 6 anos desempregado, sobrevivendo com o fundo de garantia, numa economia
inflacionada.
Em 1997, fui contratado como terceirizado, na empresa que ingressei, só que agora
privatizada.
No ano de 2003, fui efetivado, na empresa de onde nunca deveria ser demitido.
Em 2009, veio a Anistia, que já deveria ter sido cumprida desde 1994, no governo Itamar
Franco.
Para ingressar e ter o direito de me habilitar aos benefícios da anistia deveria me liberar de
qualquer outra atividade.
Larguei o salário de R$ 6.800,00 que recebia na Ferrovia Tereza Cristina, para me submeter aos
R$ 3.400,00 iniciais da tabela, aguardando que a atualização salarial fosse realizada, com a
apresentação de todos os comprovantes que encaminhei na documentação inicial.
Como não atualizaram por livre ofício, iniciei uma série de correspondências ao Ministério dos
Transportes para que procedesse com a devida atualização salarial.
Após dois anos, somente em Março de 2012 é que foi reconhecida a diferença a que tinha
direito desde 2009. Quando isto aconteceu meu salário passou para R$ 5.900,00, enquanto o
salário da tabela, já havia sido reajustado para R$ 5.600,00.
Enquanto isto, a parcela referente aos atrasados, até aquela data, não me foram
reembolsadas, pois entraram em exercícios anteriores. Informaram também, que para
receber, deveria preencher um formulário atestando que não entraria na Justiça. Mesmo
contrariado, assinei o dito formulário, mesmo assim, até hoje, não recebi as parcelas dos
atrasados e pior, nem tem informação e previsão de pagamento. Lembrando que isto é
salário, não outro benefício.
Agora em 2013, todos os salários constantes na tabela foram reajustados, enquanto o meu
salário não foi. Resultado: Na tabela o salário passou para R$ 6.600,00 enquanto o meu
permanece em R$ 5.900,00. Encaminhei correspondência ao Ministério dos Transportes e
este, encontra-se rodando de mesa em mesa, sem que vá para quem realmente decide e sem
nenhuma resposta convincente. Uma vergonha! Hoje está no Ministério do Planejamento:
Interessado: JAIRO PESSOA GUIMARAES
Número do Protocolo: 50000.006402/2013-19
Assunto: REAJUSTE SALARIAL DE EMPREGADO ANISTIADO REINTEGRADO.

Jairo Pessoa Guimarães disse...

Por que os governos deste país não merecem respeito!
Em 1975 me formei em engenharia civil na Universidade Federal de Santa Catarina.
Em 1976, por convocação pública de dois Ministérios (Exército e Transportes) prestei concurso
de seleção nacional para 25 vagas, para participar do Primeiro Curso de Especialização em
Ferrovias a ser ministrado numa das melhores Instituições de ensino do País o IME.
Quem não vislumbraria nisto um futuro brilhante?
Eu acreditei e prestei o concurso, passei em São Paulo.
Ingressei na RFFSA, progredi ao nível de Superintendência, representando uma empresa
respeitada numa cidade com 80.000 habitantes.
Em 1991, depois de inchada, pela política, saí demitido, sem qualquer justificativa. Mas outros
ficaram.
Fiquei 6 anos desempregado, sobrevivendo com o fundo de garantia, numa economia
inflacionada.
Em 1997, fui contratado como terceirizado, na empresa que ingressei, só que agora
privatizada.
No ano de 2003, fui efetivado, na empresa de onde nunca deveria ser demitido.
Em 2009, veio a Anistia, que já deveria ter sido cumprida desde 1994, no governo Itamar
Franco.
Para ingressar e ter o direito de me habilitar aos benefícios da anistia deveria me liberar de
qualquer outra atividade.
Larguei o salário de R$ 6.800,00 que recebia na Ferrovia Tereza Cristina, para me submeter aos
R$ 3.400,00 iniciais da tabela, aguardando que a atualização salarial fosse realizada, com a
apresentação de todos os comprovantes que encaminhei na documentação inicial.
Como não atualizaram por livre ofício, iniciei uma série de correspondências ao Ministério dos
Transportes para que procedesse com a devida atualização salarial.
Após dois anos, somente em Março de 2012 é que foi reconhecida a diferença a que tinha
direito desde 2009. Quando isto aconteceu meu salário passou para R$ 5.900,00, enquanto o
salário da tabela, já havia sido reajustado para R$ 5.600,00.
Enquanto isto, a parcela referente aos atrasados, até aquela data, não me foram
reembolsadas, pois entraram em exercícios anteriores. Informaram também, que para
receber, deveria preencher um formulário atestando que não entraria na Justiça. Mesmo
contrariado, assinei o dito formulário, mesmo assim, até hoje, não recebi as parcelas dos
atrasados e pior, nem tem informação e previsão de pagamento. Lembrando que isto é
salário, não outro benefício.
Agora em 2013, todos os salários constantes na tabela foram reajustados, enquanto o meu
salário não foi. Resultado: Na tabela o salário passou para R$ 6.600,00 enquanto o meu
permanece em R$ 5.900,00. Encaminhei correspondência ao Ministério dos Transportes e
este, encontra-se rodando de mesa em mesa, sem que vá para quem realmente decide e sem
nenhuma resposta convincente. Uma vergonha! Hoje está no Ministério do Planejamento:
Interessado: JAIRO PESSOA GUIMARAES
Número do Protocolo: 50000.006402/2013-19
Assunto: REAJUSTE SALARIAL DE EMPREGADO ANISTIADO REINTEGRADO.